Secretário de Saúde do Amazonas diz que 3ª onda de Covid no estado pode começar em 60 dias

RN7
0 0

O secretário de Saúde do Amazonas, Marcellus Campêlo, disse que a 3ª onda de Covid-19 no estado pode começar em 60 dias. Segundo ele, o Governo está usando como métrica o recrudescimento da doença na Europa, já que nas duas primeiras vezes coincidiram os picos da pandemia no continente e no estado. No entanto, Campêlo não mostrou dados técnicos que comprovem a afirmação.

A declaração foi dada nessa terça-feira (6), durante um evento ao lado do governador Wilson Lima. Assim como Campêlo, Lima também falou sobre uma possível terceira onda e disse que o Estado se prepara para o pior cenário possível, caso isso ocorra.

“Existe um delay de 60 dias entre a Europa e o Amazonas. Mas isso depende muito das medidas que são tomadas, principalmente, em relação ao comportamento social. Temos que ter um comportamento social de prevenção, usar máscara e evitar aglomerações, porque isso nos garante uma não-contaminação. Agora, isso também é relativo. Veja que na onda passada passamos de abril e maio até novembro sem um aumento na alça epidêmica”, explicou.

Para tentar conter o agravamento da doença, como ocorreu na primeira e na segunda onda, o secretário disse que o estado prepara um novo plano de contingência, que vai monitorar os dados da pandemia e mostrar quais as medidas que devem ser adotadas caso haja um aumento de casos, internações e óbitos em decorrência da Covid.

Paciente com Covid-19 dá entrada no Hospital Nilton Lins, em Manaus (AM). — Foto: Divulgação/Secom
Paciente com Covid-19 dá entrada no Hospital Nilton Lins, em Manaus (AM). — Foto: Divulgação/Secom

“Não é um plano do governo, da Secretaria de Saúde, mas é um plano da sociedade para o enfrentamento da pandemia. Estamos preparando esse plano como dever da prudência. Temos que ter prudência, temos que ter um plano. Estamos vendo os números agravando na Europa e a dinâmica do vírus foi, na primeira e na segunda onda, Europa – Amazonas – Brasil. Não tem indicador que diga que não será dessa forma também. Estamos otimistas com os números da vacinação, mas é preciso ter um plano e alertar a população para manter as medidas de segurança”, destacou o secretário.

Dessa vez, o Estado não pretende fechar nenhuma unidade de campanha montada para atender os pacientes com a doença. Da primeira vez, entre o primeiro e o segundo pico da doença, o Hospital de Campanha da Nilton Lins foi desativado. Até a terça-feira (6), o Amazonas já registrou quase 354 mil casos da doença e mais de 12 mil óbitos. Cerca de 800 pessoas estão internadas e outras 30 aguardam um leito, seja de UTI ou clínico.

“Nós temos um limite físico de leitos. Isso é natural em qualquer rede de saúde. Mas nós estamos trabalhando para manter todas as estruturas. Nenhuma [estrutura] foi desmontada, com exceção da enfermaria de campanha do Hospital Delphina Aziz que é uma estrutura das Forças Armadas e foi desmontada para ser levada para estados mais agravados. O restante da nossa rede, inclusive, o Hospital de Campanha da Nilton Lins, ele permanece instalado”.

G1 – AM

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe uma resposta

Next Post

Assistência Social vai gastar R$ 1,5 mi com entidades da linha de frente da Covid

Incentivar e reconhecer ações emergenciais de combate aos efeitos da pandemia realizadas por Organizações da Sociedade Civil (OSC’s) é um dos focos do edital de chamamento público lançado pela Sedhast (Secretaria de Estado de Direitos Humanos, Assistência Social e Trabalho), nesta quinta-feira (8), no Diário Oficial do Estado). No total […]