Algodão ‘manchado’ da China: novas evidências de trabalho forçado no centro da indústria da moda global

RN7
0 0

A China está obrigando centenas de milhares uigures e membros de outras minorias étnicas a realizar trabalhos manuais extenuantes nos vastos campos de algodão da região de Xinjiang, segundo uma nova investigação feita pela BBC.

Baseada em documentos disponíveis na internet e descobertos recentemente, a análise proporciona a primeira imagem clara da potencial magnitude do trabalho forçado na colheita do país que hoje responde por um quinto do fornecimento mundial de algodão, usado amplamente pela indústria da moda.

Assim como no caso da grande rede de campos de detenção em que, acredita-se, mais de 1 milhão de pessoas tenham sido detidas, as denúncias de que minorias estão sendo obrigadas a trabalhar na indústria têxtil também estão bem documentadas.

O governo chinês nega as acusações e afirma que os campos são “escolas de formação profissional” e que as fábricas são parte de um grande projeto de “alívio à pobreza”, no qual a participação é voluntária.

Novas evidências apontam, entretanto, que a cada ano mais de meio milhão de trabalhadores de minorias étnicas estão sendo forçados a participar da colheita de algodão em condições precárias.

BBC BRASIL

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe uma resposta

Next Post

MS registra mais 1.097 casos de Covid-19 em 24h e óbitos passam de 2.200 no estado

O estado de Mato Grosso do Sul registrou, novamente, mais de mil casos de Covid-19 em apenas 24 horas. Desta vez, de acordo com boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) neste domingo (27), 1.097 pessoas foram infectadas com a doença. Ainda segundo o boletim, o estado […]