Motoristas seguem com atividades paralisadas e empresa chama polícia para desbloquear garagem em Rio Branco

RN7
0 0

Sem conseguir nenhuma garantia de recebimento dos salários, os motoristas do transporte coletivo seguem com a paralisação das atividades nesta sexta-feira (18). A categoria afirma que está há pelo menos três meses sem receber os salários, além do décimo terceiro e férias. Esse é o quinto dia seguido de paralisação.

Como alguns motoristas estavam dispostos a retornar as atividades nesta sexta e os demais não permitiram que o movimento fosse quebrado e bloquearam a garagem, a empresa de ônibus São Judas chegou a chamar a Polícia Militar para fazer a segurança do local. No entanto, os trabalhadores resolveram permanecer com 100% dos ônibus parados.

O presidente do Sindicato das Empresas de Transportes Coletivos do Acre (Sindcol), Aluízio Abade, que também administra as empresas São Judas e Via Verde, disse que uma proposta foi feita aos trabalhadores, mas eles não aceitaram.

“Chamamos a polícia porque tinha uma parte dos trabalhadores que queria rodar e a outra parte fechou a garagem. Aí, quando conseguimos o desbloqueio da garagem, os motoristas foram todos para a porta da Prefeitura. Queríamos pagar o mês de novembro até o dia 30 de dezembro e começar a pagar o décimo terceiro a partir de janeiro, mas eles não aceitaram. Eles querem receber tudo em cima do acordo que a gente fechou junto com a prefeitura, o aporte de lá já dava para quitar tudo”, disse Abade.

Motoristas voltaram a se concentrar em frente à Prefeitura de Rio Branco nesta sexta-feira (18) — Foto: Lidson Almeida/Rede Amazônica

Motoristas voltaram a se concentrar em frente à Prefeitura de Rio Branco nesta sexta-feira (18) — Foto: Lidson Almeida/Rede Amazônica

O grupo voltou a se reunir em frente à Prefeitura de Rio Branco e afirmou que vai procurar o Ministério Público do Trabalho (MPT) para pedir uma intervenção.

“No momento, a gente pretende ir ao Ministério Público do Trabalho para pedir o apoio para intervir, junto à prefeitura, que nos receba ou ache uma solução de pagar esses pais de família. Já estamos há três meses sem receber e não tem uma solução. A solução que era para ter agora, os vereadores nos abandonaram, porque estava nas mãos deles a solução e fizeram empurra empurra. Hoje estamos nos abandonando, a classe está aí toda parada, sem receber, com contas atrasadas e hoje não vem um vereador ou deputado nem prefeita se manifestar a favor da gente”, reclamou o motorista Mauricélio Freire da Silva.

Aporte financeiro

O novo projeto de aporte financeiro de R$ 2,5 milhões para as empresas de ônibus como suporte devido aos prejuízos causados pela pandemia do novo coronavírus foi rejeitado novamente pelos vereadores da Câmara de Rio Branco. Em sessão on-line nessa quinta-feira (17), os vereadores se reuniram para discutir a proposta da prefeitura.

Somente se aprovado por nove dos 17 vereadores é que o projeto voltaria para análise da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. Contudo, apenas oito vereadores assinaram a proposta.

O projeto inicial foi rejeitado por unanimidade na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara e arquivado. Após reuniões, a prefeitura decidiu que encaminharia uma nova proposta à Câmara com as alterações indicadas pelos vereadores.

Por meio de nota, a Superintendência de Transportes e Trânsito de Rio Branco (RBTrans) afirmou que fez de tudo para garantir o salário dos trabalhadores, mas não conseguiu a aprovação do projeto.

“Temos todo o processo administrativo que demonstra a lisura do trabalho realizado em prol do serviço essencial do transporte coletivo”, afirmou.

‘Direito nosso’

O presidente do Sindcol afirmou que, na verdade, quase ninguém entendeu o real significado do aporte financeiro. O que, segundo ele, é um direito das empresas de ônibus que foi firmado junto à Prefeitura.

“Esse é um pagamento às empresas pelo compromisso que a Prefeitura fez com as empresas de a gente receber por quilômetro rodado. A Prefeitura foi lá e fechou com a gente que a ia rodar por quilômetro e ia pagar nossa diferença, mas colocaram política no meio. Aí atrapalhou o pagamento. Desde agosto que a gente está acumulando isso, esperando receber. Eles negaram um dinheiro que é direito nosso, nós trabalhamos para isso”, afirmou.

Terminal Urbano amanheceu novamente vazio nesta sexta (18) — Foto: Lidson Almeida/Rede Amazônica

Terminal Urbano amanheceu novamente vazio nesta sexta (18) — Foto: Lidson Almeida/Rede Amazônica

Paralisação

A paralisação no transporte público iniciou na segunda-feira (14) e o Terminal Urbano amanheceu fechado. Conforme a categoria, os motoristas de ônibus estão com salários atrasados há três meses e também não receberam o pagamento do décimo terceiro.

O grupo se reuniu em frente à Prefeitura para buscar uma solução e fechou a Avenida Getúlio Vargas, causando transtornos ao trânsito.

Na terça (15), os motoristas voltaram a se reunir em frente à Prefeitura para buscar uma solução e fecharam novamente a Avenida Getúlio Vargas, dificultando o trânsito no local. Mais de 20 mil usuários do transporte público estão sendo prejudicados diariamente.

No período da tarde, representantes da prefeitura, da Superintendência de Transportes e Trânsito de Rio Branco (RBTrans), dos motoristas de transporte coletivo e da Câmara se reuniram na Câmara de Vereadores para encontrar soluções para resolver a situação.

Ficou decidido, então, que um novo projeto deve ser encaminhado para análise, mas precisa de um número suficientes de assinaturas.

Pelo quarto dia seguido, os motoristas do transporte coletivo voltaram a paralisar as atividades nesta quinta em Rio Branco e o Terminal Urbano mais uma vez amanheceu vazio. Por conta disso, a Superintendência Municipal de Trânsito (RBTrans) informou que já foram aplicadas duas multas contra as empresas de ônibus.

Após as empresas serem notificadas, os motoristas ainda chegaram a retomar os trabalhos com 85% da frota na manhã dessa quarta (16). Mas, no início da tarde, eles novamente paralisam os serviços.

MP exige explicações

Em entrevista à Rede Amazônica Acre, na terça-feira (15), a promotora de Justiça do Direito do Consumidor do Ministério Público do Acre (MP-AC), Alessandra Garcia Marques, explicou que expediu alguns ofícios à prefeitura e RBTrans exigindo explicações sobre as ações tomadas para regularizar a situação.

“Inclusive, podem pegar pessoas e colocar para dirigir os ônibus, obviamente. Segunda coisa, infelizmente, haverá responsabilidades até no âmbito de improbidade administrativa e civil pública para quem permitiu que durante dois dias os usuários do transporte coletivo ficassem sem o serviço tão essencial”, afirmou.

G1 – AC

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe uma resposta

Next Post

Mato Grosso do Sul ultrapassa a marca de 2 mil mortes por Covid-19

A secretaria estadual de Saúde de Mato Grosso do Sul (SES) confirmou nesta sexta-feira (18) que foram registradas mais 16 mortes por Covid-19. Com esses óbitos, o estado chegou a 2.009 vidas perdidas para a doença. Mais 1.076 casos novos da doença foram confirmados. A média móvel dos últimos 7 […]