Terroristas matam 27 cristãos, alguns queimados vivos, no Mali

RN7
0 0

Suspeitos jihadistas islâmicos fortemente armados em motocicletas atacaram principalmente aldeias de cristãos no centro do Mali, matando pelo menos 27 pessoas, de acordo com trabalhadores humanitários na terça-feira (26/5).

“Sete foram mortos, alguns queimados vivos, na aldeia de Tillé. Outros 20 aldeões étnicos de Dogon foram mortos a tiros ou queimados nos vizinhos Bankass e Koro”, confirmou o grupo de ajuda cristã Barnabas Fund, citando autoridades locais.

Autoridades locais disseram à Reuters acreditar que os três ataques, entre terça e quarta-feira, foram realizados por jihadistas, que costumam dizer que estão defendendo os pastores Fulani contra os rivais Dogon.

“Ficamos surpresos com o ataque à vila de Tillé. Sete foram mortos, todos os Dogons, alguns deles queimados vivos”, disse Yacouba Kassogué, vice-prefeito de Doucombo, município em que Tillé está localizado.

Os últimos assassinatos de agricultores majoritariamente cristãos no centro de Mali começaram no dia 26 de maio e duraram até o dia seguinte, segundo as autoridades regionais.

Desde 2016, os jihadistas lutam para ocupar o norte e o centro do Mali para estabelecer a “sharia”, ou lei islâmica, em todo o país africano.

As autoridades também disseram que os três ataques foram provavelmente realizados por jihadistas, que frequentemente alegam defender os pastores Fulani contra os rivais Dogon.

O derramamento de sangue enfatizou a preocupação de que o país muçulmano verá uma repetição da violência maciça do ano passado. “O Mali sofreu seu pior ano de violência extremista em sete anos em 2019”, disse o Barnabas Fund ao Worthy News em comunicado.

O grupo acrescentou que “militantes jihadistas” realizaram “ataques assassinos” nas áreas norte e central. Eles estavam “devastando aldeias cristãs e fazendo com que centenas fugissem apenas com as roupas nas costas. Em um dos piores ataques, em junho de 2019, pelo menos 100 homens, mulheres e crianças foram massacrados em Sobame Da, uma vila principalmente cristã na região de Mopti, no centro do Mali.”

Os civis fulani também sofreram violência por milícias que os acusaram de apoiar os jihadistas, disseram relatórios. Mais de 150 foram mortos em uma vila por suspeitos extremistas de Dogon em março do ano passado.

O Mali está em caos desde 2012, quando jihadistas ligados ao grupo terrorista Al Qaeda apreenderam os dois terços do norte do país. As forças francesas intervieram no ano seguinte. Mas os militantes se reagruparam neste país da África Ocidental, sem litoral, com mais de 19 milhões de pessoas.

Em um revés para a comunidade internacional, os jihadistas também expandiram suas operações para países vizinhos, como Burkina Faso e Níger.

Fonte: Guia-me com informações de Worth News e New York Times

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe uma resposta

Next Post

Únicos dois vereadores que votaram contra o “Aumento de salários”

Uma comunidade indignada, foi o que os vereadores em sua grande maioria na cidade de Rio Negro –MS, deixaram, com a aprovação de aumento de seus salario com consequência também os do prefeito, vice e secretários, os quais assumirão a nova legislatura em 2021. Com está aprovação na última sessão […]