Veneza está reaberta para o turismo e livre da Covid-19, diz líder regional

RN7
0 0

A região de Vêneto, na Itália, admitiu que a capital, Veneza, está pronta para receber turistas, depois de superada a crise provocada pela pandemia da Covid-19, a doença provocada pelo novo coronavírus, segundo afirmou nesta quarta-feira o presidente regional, Luca Zaia.

“Em Vêneto, os turistas estarão mais tranquilos do que em suas casas”, garantiu o governante, durante entrevista coletiva concedida para a imprensa estrangeira, por meio de videoconferência.

Zaia explicou que a região está aberta, depois que as praias voltaram a funcionar, com regras de distanciamento social. O presidente regional garantiu que todos estarão em total segurança.

Vêneto é a região da Itália que recebe mais turistas, cerca de 70 milhões por ano, com faturamento de 18 bilhões de euros (R$ 112,6 bilhões).

O governante ainda lembrou que Venezia, ainda antes da pandemia da Covid-19, sofreu com as inundações, que chegaram a fechar a cidade.

Segundo Zaia, é possível garantir férias sem Covid-19 para os visitantes. O presidente regional explicou que o índice R0 de contágio está abaixo de 0,4. Além disso, não há pacientes em estado grave em Vêneto há várias semanas.

No entanto, o líder político fez um apelo para a população, especialmente, os mais jovens, depois da veiculação de imagens de grupos consumindo bebidas alcóolicas nas ruas, aglomeradas, sem uso de máscaras.

“Temos que entender agora que, nós, os cidadãos, somos o verdadeiro tratamento contra o coronavírus”, disse Zaia, que ameaçou fechar estabelecimentos comerciais, caso haja insistência na falta de proteção.

EFE

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe uma resposta

Next Post

Caixa bloqueia transferência de auxílio para quem receber pela poupança digital

Contra o que determina a lei que criou o auxílio emergencial de R$ 600, a Caixa anunciou que vai, num primeiro momento, impedir cidadãos que recebem o benefício pela poupança digital de fazer a transferência dos recursos da segunda parcela para alguma outra conta por meio de DOC ou TED. […]