Prefeitura e Instituto Ecumênico lançam campanha de combate à intolerância religiosa

RN7

Neste 21 de janeiro, Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, a Prefeitura de Rio Branco e o Instituto Ecumênico Fé e Política do Acre, realizaram o lançamento de uma campanha sobre o respeito à diversidade religiosa. Criada em 2007, a data propõe uma reflexão sobre a importância do Estado laico e o direito individual de professar a fé que desejar.

A prefeita Socorro Neri destacou que nesse momento em que o país passa por divisões cada vez mais acentuadas e acirradas nos mais diversos campos do pensamento, se torna ainda mais importante que as pessoas consigam dialogar e entender que as diferenças ajudam a evoluir. “Nós todos precisamos refletir e nos irmanar na busca pela paz. Precisamos organizar estratégias que construam um ambiente de entendimento e respeito, porque da forma como está todos nós perdemos”, disse.

O procurador do Ministério Público do Estado (MPAC), Sammy Barbosa, disse que o respeito deve balizar sempre as relações humanas e que a pluralidade biológica, cultural, ideológica e de fé são protegidas pela Constituição Federal de 1988.

“Vencidas duas décadas em que o povo brasileiro lutou contra um regime totalitário, que tinha a tortura como uma política de Estado, nós optamos pela democracia, e a Constituição Brasileira nos garante uma série de direitos fundamentais, entre eles o direito de ter fé e praticar o culto. E essa mesma Constituição diz expressamente que o Estado Brasileiro não tem e não pode ter uma religião oficial, isso precisa ficar muito claro e deve ser repetido em todas as oportunidades. O Estado é laico não porque ele abomine a religião, de forma nenhuma, mas porque ele respeita e protege todo e qualquer dogma”, enfatizou.

O Instituto Ecumênico Fé e Política tem 15 anos e 43 entidades das mais diversas religiões, doutrinas e filosofias de vida e de fé associadas. O secretário-geral da Instituição, padre Mássimo Lombardi, enfatizou que o desafio é acabar com todo o tipo de fundamentalismo. “O fundamentalismo nas igrejas, na política, no relacionamento com as pessoas que pensam de forma diferente, é causa de todas as violências. Então nós, através desse ideal do encontro, da paz e do respeito às diversidades, queremos ser uma pequena semente de entendimento de que tudo pode ser solucionado se nós tivermos respeito ao outro, sobretudo os diferentes”.

Como símbolo do combate à intolerância, todas as lideranças religiosas receberam mudas de ipês brancos para serem plantados em suas igrejas, terreiros, centros espíritas e instituições de fé. No fim do evento, a prefeita Socorro Neri e todos os presentes se encaminharam à Praça da Revolução, no centro da cidade, e plantaram uma das mudas.

Ascom

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe uma resposta

Next Post

Número de casos de malária em Manaus tem queda de 21,8%, aponta Semsa

A capital amazonense apresentou […]