Ciopaer garante que helicóptero que bateu em caminhão no AC seguiu procedimentos de segurança

RN7
0 0

Após o acidente envolvendo um caminhão baú que atingiu uma das hélices do helicóptero do Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer), neste sábado (18), em Rio Branco, o coordenador do Ciopaer, Nayk Souza, disse que no local havia uma barreira policial e que foram seguidas todas as normas de segurança.

Em nota pública, o secretário segurança em exercício, Ricardo Brandão, informou que a aeronave estava em atividade fazendo parte de uma operação da Secretaria de Segurança Pública, a Operação Fecha Fronteira que tem como foco coibir ações criminosas nas região do Segundo Distrito da Capital.

“Com isso, o helicóptero se encontrava em um ponto estratégico que pudesse ter acesso a todos os bairros da capital de maneira rápida e eficaz”, justifica o posicionamento.

Além disso, o coordenador do Ciopaer disse que o procedimento é comum este tipo de patrulhamento.

“Esse tipo de patrulhamento com aeronave em pousos específicos acontece em todo lugar e, para deixar bem esclarecido, este é um ponto onde estava havendo uma barreira policial, então, havia a sinalização e havia também um dos tripulantes no momento fora da aeronave para o acionamento. Ele só adentrou na aeronave no momento em que ela foi acionada para decolagem. No momento da decolagem, esse caminhão baú foi fazer o retorno e atingiu uma das pás”, disse Souza.

No helicóptero estavam cinco pessoas, dois deles comandantes e mais três tripulantes. Duas pessoas tiveram ferimentos leves e foram encaminhadas pata o Pronto-Socorro de Rio Branco.

O caminhão, que presta serviço para a Secretaria de Estado de Saúde (Sesacre), transportava resíduos hospitalares e estava com três pessoas e ninguém feriu.

“Como podemos verificar, já existia uma barreira policial no local, onde já tinham sido feitos pontos bases anteriores. No dia de ontem [sexta-feira, 17] fizemos, durante todo o dia patrulhamento e pousos em pontos bases específicos, onde aqui no local do fato também foi um desses pontos bases”, afirmou Souza.

A aeronave estava dando apoio à Operação Fecha Fronteira, que ocorria no bairro Belo Jardim, neste sábado. O helicóptero estava parado em uma rotatória quando a equipe iniciou o processo de decolagem.

Ainda de acordo com o coordenador, as ações com a aeronave ocorriam para dar apoio às equipes de solo, fazendo o patrulhamento aéreo e tinha pontos bases, como na rotatória onde ocorreu o acidente, sempre coordenado com o pessoal de solo, no caso, a PM.

“A determinação do secretário de Segurança foi que continuássemos com essas operações durante o dia de hoje. O que foi feito pelo Ciopaer”, acrescentou.

Souza explicou ainda que assim que ocorreu o acidente, foram tomados todos os procedimentos pela tripulação de imediato, como o corte dos motores e isolamento da área.

Caminhão ficou destruído depois de bater em hélice de helicóptero, em Rio Branco — Foto: Arquivo pessoal
Caminhão ficou destruído depois de bater em hélice de helicóptero, em Rio Branco — Foto: Arquivo pessoal

‘Área não estava isolada’

O encarregado a empresa do caminhão que se envolveu no acidente, Charles Matos, disse que três pessoas estavam no veículo e a equipe fazia as coletas diárias no momento do acidente.

“A gente fazia as coletas diárias dos hospitais da capital e a gente estava retornando, íamos fazer uma parada no posto de gasolina para retornar à nossa unidade e aconteceu de o helicóptero estar funcionando e o caminhão passou ao lado e aconteceu essa fatalidade”, disse.

Matos falou que não estava no momento do acidente, mas que coletaram alguns vídeos para repassar para a empresa. Ele disse que o trânsito estava normal no local.

“Pelos vídeos que agente têm, a área não estava isolada. Estava tendo tráfego no local onde estava o helicóptero. Acho que esse é o fato que pode ter ocasionado o acidente, mas a gente deixa isso para a perícia, para que eles possam averiguar e resolver a situação”, pontuou.

O encarregado falou ainda que o motorista e outro colaborador estão em estado de choque por ser um susto grande e que a hélice passou próximo à boleia, mas só atingiu o baú do caminhão.

Além disso, Matos informou que ainda não tinha conversado com a equipe para saber mais detalhes sobre o acidente. Ele informou que ainda não é possível ter um balanço sobre os prejuízos da empresa e que um levantamento ainda vai ser feito.

Veja nota da íntegra:

O Governo do Estado do Acre, por meio da Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp), em decorrência do acidente envolvendo o helicóptero Harpia 01, vem a público esclarecer que:

1. A aeronave estava em atividade, fazendo parte de uma operação orientada pela Secretaria de Segurança Pública, aliada à Operação “Fecha Fronteira”, com o foco de coibir ações criminosas na região do Segundo Distrito de Rio Branco. Com isso, o helicóptero se encontrava em um ponto estratégico que pudesse ter acesso a todos os bairros da capital de maneira rápida e eficaz.

2. O Harpia 01 se preparava para levantar voo em uma barreira policial que reduzia a velocidade de veículos. Havia um tripulante da aeronave realizando todo o procedimento de segurança para a decolagem, quando um caminhão modelo baú se aproximou do local e colidiu com uma das hélices, causando o acidente.

3. Todos os envolvidos no acidente estão fora de perigo ou risco de morte, houve apenas ferimentos leves. Dois tripulantes sofreram algumas lesões, foram encaminhados ao pronto-socorro de Rio Branco, juntamente com o motorista do caminhão e o passageiro. Todos estão bem.

4. Uma equipe da Sejusp está acompanhando todos os procedimentos a serem realizados a partir da perícia que deve ocorrer no local do acidente. Para os procedimentos cabíveis que atendem ao protocolo, já foram acionados os órgãos competentes como o Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa 7), a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), bem como a seguradora da aeronave.

5. Por fim, vale ressaltar que toda a manutenção e documentação da aeronave encontram-se absolutamente regularizadas de acordo com a legislação vigente, bem como todos os contratos da seguradora estão em dia, sendo esta acionada pelo assegurado.

Rio Branco – Acre, 18 de janeiro de 2020.

Ricardo Brandão

Secretário de Justiça e Segurança Pública em Exercício

Colaborou Guilherme Barbosa da Rede Amazônica Acre

Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleepy
Sleepy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Average Rating

5 Star
0%
4 Star
0%
3 Star
0%
2 Star
0%
1 Star
0%

Deixe uma resposta

Next Post

AM registra mais de 90 mortes por afogamento em um ano; bombeiros alertam para período de férias

Um levantamento do Instituto Médico Legal (IML) aponta que foram registradas 97 mortes por afogamento no Estado do Amazonas em 2019. Entre as vítimas identificadas, em sua maioria são do sexo masculino, as idades variam de um a 87 anos. Além dos registros na capital, os casos ocorreram em diversas […]