Em dia de balada, adolescentes com deficiência vão parar em festa sertaneja

RN7

Com música ao vivo e luzes apagadas, crianças e adolescentes com deficiência aproveitaram para dançar e cantar em festa sertaneja, que começou às 13h30 e foi até o fim do dia. Animados, eles saíram das escolas e foram parar no bar Bartholomeu de Campo Grande, onde suaram a roupa de tanto dançar e até fizeram coraçãozinho para os cantores.

O evento ocorreu nesta semana com a proposta da inclusão e estava na décima edição. Teve alunos da APAE (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais), REME (Rede Municipal de Ensino), Juliano Varela e Raio de Luz que desceram do ônibus escolar e foram animados para a festa.

A carência de festas inclusivas e a dificuldade de se “encaixarem” em baladas comuns os deixaram ansiosos, com os ânimos a flor da pele. Eles entraram no espaço que já estava escuro, apenas com as luzes de balada acesas. Toda vez que a luz verde e vermelha batia no rosto, era a sensação de liberdade e comemoravam com um sorriso e remelexo no quadril.

Adolescentes ficaram de frente para o palco para cantar com os músicos as canções sertanejas. (Foto: Kisie Ainoã)
Adolescentes ficaram de frente para o palco para cantar com os músicos as canções sertanejas. (Foto: Kisie Ainoã)

“Está muito legal, quando cheguei já gostei da música que estava tocando. Aqui é uma forma de fazer amigos”, disse Débora Gomes. Aos 14 anos ela tem deficiência intelectual, sente dificuldade ao falar muito e compreender algumas coisas, mas afirmou que quer participar de mais festas assim.

Willian Ribeiro também tem a deficiência e com mais dificuldade que a colega contou que adorou o evento. “Estou gostando da balada. Estou me divertindo ali”, falou apontando para o meio da pista do salão. Ele tem 14 anos e é aluno da REME e foi sua primeira vez numa festa animada.

A balada foi organizada pela artesã, Diva Elena Duarte. Ela, em parceria com alguns empresários, conseguiu comida e bebida gratuita, “recheando” a festa com algodão doce, pipoca, bolo, refrigerante e água. “Eles não têm vida social, por isso fizemos uma. Aqui são todos iguais e não tem problema com o empurra-empurra”, destacou.

CGNEWS

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe uma resposta

Next Post

Se priorizar Bolsa Família, não precisa desonerar empresa para empregar jovens, diz economista

A avaliação é do […]