Cristãos sobreviventes de perseguição religiosa testemunham na ONU

RN7

Oito em cada dez pessoas perseguidas por suas crenças são cristãos, números preocupantes que começaram a ser abordados na Organização das Nações Unidas (ONU) quando um grupo de sobreviventes cristãos testemunharam o que passaram em seus países.

Em entrevista para Fox News, o padre Neville Fernando falou sobre a reunião na ONU que citou casos como os ataques de Páscoa no Sri Lanka onde mais de 250 pessoas morreram e outras 500 ficaram feridas.

“Entrei pelo portão principal da igreja e de repente ouvi a explosão”, disse ele que conseguiu sobreviver. “Corri em direção à igreja e vi cadáveres espalhados pelo chão. Havia muitas partes do corpo, mãos, cabeças, pernas e mãos, umedecendo o chão da igreja com sangue. Houve lamentações e gritos das pessoas que procuravam entes queridos. Que horror! vista.”

O reverendo Ricky Bacolcol contou sua experiência como sobrevivente de um ataque realizado pelo Estado Islâmico na Catedral do Monte Carmelo, sul das Filipinas. Naquele dia 20 pessoas morreram e 100 ficaram feridas.

Em 20 de novembro o Vaticano organizou uma conferência na ONU para chamar a atenção para o fato de que o cristianismo se tornou oficialmente a religião mais perseguida no mundo. E é uma crise cada vez mais profunda.

Embora os ataques contra judeus e muçulmanos também estejam aumentando, de acordo com as estatísticas mais recentes, oito em cada dez vítimas de perseguições religiosas são cristãs.

O padre Roger Landry, da Missão da Santa Sé nas Nações Unidas, disse que a situação é terrível. A grande mídia rapidamente convoca ataques contra judeus e muçulmanos, anti-semitismo ou islamofobia, disse ele, mas esse não é o caso quando se trata de cristãos.

“Chamamos esse evento para ouvir dos sobreviventes de perseguição religiosa em todo o mundo, para que a ONU possa ser informada e, desse púlpito importante, comece a ecoar em todo o mundo”, disse Landry.

De acordo com um relatório recém-lançado da organização Aid to the Church in Need, uma instituição de caridade católica que ajuda fiéis ao redor do mundo, 11 cristãos são mortos todos os dias por causa de sua fé.

O relatório também diz que em países do sul e leste da Ásia, como Sri Lanka e Filipinas, muitas vezes há uma trindade profana de ameaças: extremismo islâmico, nacionalismo populista e regimes autoritários. Enquanto isso, no Oriente Médio, não deixa de ser genocídio.

0 0
Happy
Happy
0 %
Sad
Sad
0 %
Excited
Excited
0 %
Sleppy
Sleppy
0 %
Angry
Angry
0 %
Surprise
Surprise
0 %

Deixe uma resposta

Next Post

Dois hospitais de MS realizarão diagnóstico gratuito de câncer de pele

Dois hospitais de Mato […]