Acusado de estupro, jovem inocente é torturado pelo tribunal do crime em MS e libertado quando pedia socorro

Ao saber de um sequestro em andamento, em Naviraí, a 350 km de Campo Grande, a polícia deflagrou a segunda fase da operação Osíris. A informação inicial era de que a vítima estava em poder de integrantes de uma facção criminosa, após a descoberta de que ele teria estuprado uma mulher e então passaria pelo julgamento do tribunal do crime.

Os policiais encontraram o cativeiro, nessa segunda-feira (1°), inclusive flagrando o momento em que o homem gritava por socorro. O grupo pulou o muro, invadiu o imóvel e encontrou a vítima sendo espancada por cinco pessoas. Todas foram algemadas e a vítima resgatada com diversos ferimentos, o que levou a conclusão que ele seria morto após o julgamento dos bandidos.

Em seguida, os policiais também prenderam outro homem que vigiava a casa e outras duas pessoas que chegavam, segundo a investigação, para auxiliar no julgamento. A ação resultou na prisão de seis homens e na apreensão de três adolescentes.

Ainda conforme a polícia, a vítima do suposto estupro já havia registrado, na mesma data, um boletim de ocorrência e o caso era investigado pela Delegacia da Mulher (DAM) de Naviraí, sendo que o homem torturado pelos integrantes da organização criminosa nada tinha a ver com o estupro.

Foram ao todo 4 mandados de prisão, sendo um deles cumprido no presídio de Naviraí. Este homem inclusive foi preso no dia 5 de fevereiro deste ano, ao ser flagrado em posse de uma arma de fogo roubando um comércio na cidade. Os outros 2 foram cumpridos em bairros da periferia da cidade, quando a polícia encontrou porções na maconha na casa de um deles. Por último, os policiais não conseguiram prender a pessoa e ela já é considerada foragida, conforme a polícia.

Indiciamento

Todos os envolvidos foram indiciados por tortura qualificada pelo sequestro, organização criminosa e corrupção de menores. Somadas, as penas ultrapassam 20 anos de reclusão. Já os menores respondem ao ato infracional semelhante e foram encaminhados para Unidade Educacional de Internação (Unei).

Polícia chegou em cativeiro e flagrou vítima sendo espancada durante tribunal do crime em MS — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Polícia chegou em cativeiro e flagrou vítima sendo espancada durante tribunal do crime em MS — Foto: Polícia Civil/Divulgação

Primeira fase

A primeira fase teve início no dia 6 de março deste ano, com a intenção de coibir a ação de facções criminosas na cidade. Além de policiais do Serviço de Investigações Gerais (SIG), a Polícia Militar (PM) e a Civil também participam das ações.

Além de atuar no tribunal do crime, os bandidos também era responsáveis por furtos de carros, roubos, tráfico de drogas, sequestro e cárcere privado.

O nome Osíris se refere a mitologia egípcia, é o Deus do julgamento. Osíris também está relacionado com a vida no além, pois à ele foi atribuído o trabalho de julgar os mortos, forma semelhante com a facção, que julga os rivais e os condena à morte.

G1 – MS

Leave a Reply

%d bloggers like this: