MS: Apesar das dificuldades, municípios de MS são destaques nacionais em gestão

Apesar das dificuldades enfrentadas pela maioria dos prefeitos brasileiros em decorrência da política econômica do País, alguns deles conseguem driblar a crise e inovar, garantindo uma administração transparente e eficiente, a ponto de ganhar destaque nacional em gestão pública, um privilégio de poucos no momento de turbulência política e institucional que de uma forma ou de outra tem refletido drasticamente nas três esferas de governo.

Um exemplo disso é a cidade de Bataguassu que lidera, entre os 79 municípios de Mato Grosso do Sul, o índice “IGM-CFA de Governança Municipal”, conforme atesta o site oficial do Conselho Federal de Administração.

Quem acessar o site http://www.cfa.org.br/ vai poder conferir o histórico dos melhores gestores brasileiros (http://cgp.cfa.org.br/igm/lista.php).

Administrada pelo prefeito Pedro Caravina (PSDB), que também é presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Bataguassu coloca-se entre as 30 melhores do País no ranking do IGM-CFA.

Aliás, apenas Bataguassu e Costa Rica aparecem entre as 100 cidades brasileiras com melhores índices de avaliação, conforme o levantamento.

Caravina atribui a boa performance  a um trabalho sério que vem sendo conduzido pela sua equipe de governo ao longo do mandato, enfrentando os desafios do dia a dia, sobretudo, pela eficiência e a seriedade com que se toca a administração pública, olhando em primeiro lugar as prioridades e as demandas da população em vários setores.

O município de Costa Rica é o segundo entre os municípios de Mato Grosso do Sul, atrás de Bataguassu, e o 59º em nível nacional.

Campo Grande, administrada pelo prefeito Marquinhos Trad (PSD), aparece em 3º no ranking estadual e em 119º no nacional.

Taquarussu é a 4ª melhor gestão do Estado e 124ª do País, enquanto Chapadão do Sul é a 5º do Estado e a 113ª do país.

Rio Brilhante aparece na 6ª colocação em Mato Grosso do Sul e na 137ª posição em nível nacional. Localizada em São Paulo, a cidade de Ilhabela é a primeira no ranking nacional, segundo o ranking de melhor gestão.

METODOLOGIA 

O estudo, realizado em parceria com o Instituto Publix, reuniu índices já consolidados no mercado como o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal, IEGM (Índice de Efetividade da Gestão Municipal), IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), entre outros. Foram mais de 400 variáveis encontradas.

A falta de planejamento e controle, o desperdício de dinheiro público, o gasto desenfreado e a corrupção são as principais causas para a crise política e econômica que o Brasil tem vivido. Essa triste realidade motivou o Conselho Federal de Administração, por meio da CGP (Câmara de Gestão Pública ), a criar o IGM-CFA (Índice CFA de Governança Municipal).

Os pesquisadores fizeram um filtro e foram selecionadas variáveis com alta correlação. Posteriormente, elas foram agrupadas em três dimensões consideradas indispensáveis na gestão pública: Qualidade Fiscal (QF), Qualidade da Gestão (QG) e Desempenho (D). A soma desses índices gerou a métrica adotada para chegar ao IGM-CFA.

O indicador criado pelo CFA condensa a informação de diversas variáveis como educação, saúde, gestão, gestão fiscal, gestão ambiental, transparência e accontability, efetividade, informatização, planejamento urbano, articulação institucional, recursos humanos, habitação, vulnerabilidade social, e IDHM (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal).

Fonte: Willams Araújo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: