Polícia Civil vai investigar agente que tirou foto ao lado do Doutor Bumbum

Rio – A policial civil Miriam Glória Carvalho dos Santos está, de novo, na mira da Corregedoria da Polícia Civil (Coinpol). O órgão vai apurar a conduta da agente que posou para foto ao lado do médico Denis César Barros Furtado, o Doutor Bumbum, e da mãe dele Maria de Fátima Barros Furtado, ambos presos ontem acusados pela morte de Lilian Calixto, de 46 anos, após se submeter a um procedimento estético com Denis. As imagens da policial estão circulando nas redes sociais. E a prisão do Doutor Bumbum foi feita por policiais militares do 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes).

Miriam já responde a uma sindicância na Coinpol por ter feito selfies com Rogério Avelino da Silva, o Rogério 157, e o cantor Naldo Benny, em dezembro de 2017, quando ambos foram presos. Naldo foi solto no mesmo dia após pagar fiança. O artista foi pego em flagrante por porte ilegal de arma depois de uma ação de busca e apreensão da Delegacia de Atendimento à Mulher (Deam), em Jacarepaguá, na casa dele que investigava agressão à mulher dele, Ellen Cardoso, a Mulher Moranguinho.

Policial civil faz selfie com Rogério 157 logo após ele ser preso – Reprodução Redes Sociais

“A sindicância instaurada em razão da foto com Rogério 157 está em fase de oferecimento de defesa e será concluída em breve. Irei aditar a portaria dessa sindicância para que ela (Miriam) também apresente defesa sobre esse novo fato. É transgressão disciplinar continuada”, disse o corregedor da Polícia Civil, Gilson Emiliano.

Na época, como publicou o jornal O DIA, Míriam justificou a foto alegando que estava orgulhosa da prisão de Rogério 157 sem ter dado um tiro e disse que as fotos foram autorizadas pelo delegado Gabriel Ferrando. Ele também responde pelo mesmo procedimento. Titular, à época, da 12ª DP (Copacabana), ele foi o responsável pela prisão do traficante, ação que teve muita repercussão, e também posou ao lado do traficante com sua equipe. À época, em coletiva sobre a prisão do traficante, Ferrando chegou a dizer que que o episódio das selfies foi “excesso”. O delegado, atualmente, é titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF).

Policiais que prenderam Rogério 157 fazem foto com o preso algemado – Reprodução Redes Sociais

Outras duas policiais identificadas como Roberta e Daiana também prestaram depoimentos à corregedoria no caso da selfies com Rogério 157. O procedimento apura duas possibilidades. A primeira que consta no Estatuto da Polícia Civil é se exibir em local público ou manter relação de amizade com pessoas de má reputação, cuja pena é de um a 15 dias de suspensão, ou desrespeitar os direitos e garantias individuais dos presos com punição de 41 a 90 dias.

O Dia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.